Espaço aéreo de Curitiba

Curitiba é uma grande cidade e assim como muitas grandes cidades, e outras nem tão grandes assim, possuí um espaço aéreo restrito.

É fundamental que o aerodesportista faça uso consciente do espaço aéreo

Segundo o RBAC 103 é proibida a operação de veículo ultraleve ou balão livre tripulado fora dos espaços de voo especificamente autorizados pelo DECEA.

Muitos aerodesportistas utilizam de forma consciente, mas errada, os espaços classe G, outros por sua vez, voam duplamente errados, por não conhecerem a estrutura do espaço aéreo, além de estarem fora dos espaços autorizados ao aerodesporto, ainda cruzam rotas e invadem espaços controlados colocando-se em risco e colocando em risco a aviação, Fique ligado!

Conhecer a estrutura do espaço aéreo é fundamental. na região de Curitiba, voamos na área SBR 531, que é uma área condicionada à operação de veículos ultraleves, onde estão situados o aeroclube dos 40, o aeroclube Graciosa e o Clube de Paramotor e Paratrike do Paraná, sede da escola Paramotor-PR. Nessa área o limite vertical é 3.500ft o que não é muito, mas, da para se voar, considerando que o chão está a 2900ft, podemos subir a uma altura de 600ft ou aproximadamente 180m. É muito importante que esse limite não seja extrapolado, acima dele temos corredores de voo visual de avião e corredores de helicóptero.

Uma outra área permitida nas proximidades de Curitiba, especificamente destinada ao voo de Paramotor e Paratrike, que por enquanto existe como NOTAN temporário, fica em Tijucas do Sul, uma área circular com raio de 11 milhas náuticas, centrada no clube de Paramotor e Paratrike 4 rotas.

Para conhecer melhor a estrutura do espaço aéreo o aerodesportista deve procurar informações no site https://www.aisweb.aer.mil.br/ ou com a associação ao qual ele é filiado. mas se não tiver sucesso pode nos consultar.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *